Empresário e engenheiros são presos em desdobramento da Operação Banquete

Uma semana após deflagrar a terceira fase da Operação Banquete, que apura supostas fraudes em licitações na Prefeitura do Eusébio, o Ministério Público do Ceará (MPCE) voltou a cumprir nesta terça-feira (26) dois mandados de prisão temporária contra engenheiros e um mandado de prisão preventiva em desfavor de um empresário, além do afastamento de um agente público. Os nomes dos detidos ainda não foram divulgados oficialmente pelo órgão. 

4ª fase da Operação Banquete, que acontece por intermédio do Grupo Especial de Combate à Corrupção (Gegoc) com apoio da Polícia Civil, cumpre ainda quatro mandados de busca e apreensão, tendo até as 9h, recolhido aparelhos eletrônicos e documentos. 

Viatura de polícia
Legenda: 4ª fase da Operação Banquete acontece por intermédio do Grupo Especial de Combate à Corrupção (Gegoc) com apoio da Polícia CivilFoto: Divulgação MPCE

O MPCE investiga suposta associação criminosa entre agentes públicos e empresários da construção para fraudar pesquisas de preços, que tinha por objeto a locação de máquinas para execução dos serviços de conservação de estradas, rodovias e áreas de Eusébio. 

Leia mais

SEGURANÇAMPCE deflagra operação que investiga fraudes em licitações na Prefeitura de EusébioSEGURANÇAGrupo poderia causar rombo de R$ 20 mi à Prefeitura do EusébioSEGURANÇAMPCE denuncia oito pessoas por fraudes em licitações em Eusébio

A terceira fase da operação conjunta ocorreu na última terça-feira (19) com o cumprimento de oito mandados de prisão nas cidades de Fortaleza e Eusébio. Foram três mandados de prisão, dois de temporária e um de preventiva, contra empresário, engenheiro e agente público; três de busca e apreensão contra engenheiro e agentes públicos, sendo apreendidos documentos e materiais eletrônicos; e dois de afastamento do cargo público contra agentes públicos suspeitos de fraude à licitação, falsidade ideológica e associação criminosa.

Nas fases anteriores, a operação investigou serviços de alimentação e de gráfica, realizando 11 prisões e 17 mandados de busca e apreensão, além de ter oferecido denúncia contra 19 réus. 

Já primeira fase ocorreu em agosto de 2020, após dez meses de investigações. Na ocasião, o Gecoc desarticulou um esquema criminoso que poderia causar um prejuízo calculado em cerca R$ 20 milhões aos cofres da Prefeitura.

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura do Eusébio, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança


ASSUNTOS RELACIONADOS

Crimes e JustiçaOperação Banquete


VC REPÓRTER

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.