Fotógrafas cearenses vendem imagens autorais para auxiliar mulheres da periferia durante a pandemia

Projeto “Mulheres Cuidando de Mulheres” envolve 60 profissionais cearenses que apoiarão 60 famílias da periferia de Fortaleza por meio da venda de trabalhos fotográficos

Entre as muitas perguntas que povoam a mente coletiva no contexto da pandemia do novo coronavírus, a questão “como posso ajudar?” carrega consigo um poder transformador. Agir em benefício do próximo, a partir dos meios que estão ao seu alcance, é uma das respostas possíveis.

Foi assim que as 60 fotógrafas e artistas visuais do programa “Sol para Mulheres”, da Imagem Brasil Galeria, decidiram vender trabalhos autorais para auxiliar algumas chefes de família da periferia de Fortaleza, especificamente dos bairros Pirambu e Bom Jardim.

Esta imagem é do arquivo pessoal da fotógrafa Marília Camelo
Legenda: A foto em Paris marca um período de mudanças na vida de Marília CameloFoto: Marília Camelo

No começo da quarentena, as mesmas profissionais articularam um “Desafio Fotográfico” nas redes sociais. Durante 40 dias, elas postaram imagens produzidas no isolamento, numa tentativa de manter acesa a chama da criação e também de estimular outros confinados a utilizar a fotografia a seu favor nesse período. 

“Esse movimento criativo ajudou-as a se manterem conectadas, incentivando umas as outras, olhando o entorno, num processo de autoconhecimento, mergulho interior”, lembra Patrícia Veloso, coordenadora das ações.

A iniciativa foi o embrião do projeto “Mulheres Cuidando de Mulheres”, desenvolvido pelas fotógrafas com o intuito de colaborar com pessoas em situação de maior vulnerabilidade durante a pandemia. 

Esta foto é do arquivo da fotógrafa Delfina Rocha
Legenda: Delfina Rocha tem duas fotos no projeto. Ambas falam sobre forma e espaçoFoto: Delfina Rocha

Algumas das fotos produzidas no Desafio Fotográfico, e mesmo antes dele, foram cedidas para uma seleção final de 60 imagens, que estão sendo comercializadas por R$140 cada (sendo R$40 destinados aos custos de impressão). O valor obtido até o dia 30 de junho será direcionado para a compra de cestas básicas e produtos de higiene pessoal.

“Essa foi a forma de nós mulheres darmos as mãos, aproximando a fotografia do público nessa ação solidária”, identifica Delfina Rocha, que trabalha com imagem há mais de 30 anos e tem duas fotos no catálogo desse projeto. “São momentos distintos. Em uma, ainda estava em minha rotina normal, e na outra, já em isolamento. Ambas traduzem o meu olhar estético sobre a forma e o espaço”, observa Delfina.

A fotógrafa Natália Rocha também selecionou uma imagem do Desafio Fotográfico. “É uma foto significativa, pois traz uma reflexão sobre nossa relação com a natureza e como a terra é o lar de todos que vivem sobre ela”, aponta, sobre uma investigação que tem ganhado cada vez mais força em seu trabalho. 

Esta é uma imagem do arquivo pessoal da fotógrafa Natália Rocha
Legenda: Natália Rocha disponibilizou a foto “Entranhas” para a açãoFoto: Natália Rocha

Até a manhã de segunda-feira (8), o projeto já havia conseguido vender 70 fotos, que serão impressas em papel fine art, tamanho 26cm x 36cm, e entregues durante o mês de julho, respeitando todos os protocolos de segurança exigidos pela pandemia. “Muitas pessoas que estão contribuindo estão, também, entrando em contato com a arte de fotógrafas cearenses, gerando um interesse pelas trajetórias de mulheres artistas”, reforça Natália.

Parceria
Para viabilizar esse projeto solidário, o coletivo contou com o apoio de dois programas sociais: a “Casa do Saber”, ação do Movimento Emaús Amor e Justiça, no bairro Pirambu; e o Conselho Comunitário dos Moradores do Parque Santa Cecília (CCMPSC), no Bom Jardim, que desenvolve vários projetos como o Circo Escola, que atende mais de 200 crianças entre 6 e 17 anos em situação de vulnerabilidade social. 

Ambas as instituições já fizeram o mapeamento das famílias a serem beneficiadas. Além disso, elas também ficarão responsáveis pela entrega das cestas básicas adquiridas com o recurso da mobilização, no mês de julho. Vale ressaltar que cada residência receberá ainda um exemplar de livro infantil. “Temos nome, endereço, destino certo. Agora é só reunir o recurso durante o mês de junho”, adianta Patrícia Veloso. 

Ela destaca ainda que a iniciativa pode se estender, visto que recebeu muitas imagens das participantes, mas o foco agora é concluir essa primeira etapa.

Esta imagem é do arquivo pessoal da fotógrafa Sabrina Moura
Legenda: Sabrina Moura, outra integrante do coletivo, reforça a importância de “amenizar os diversos ‘vazios’ dessas 60 famílias em vulnerabilidade socialFoto: Sabrina Moura

Para a fotógrafa Marília Camelo, este é um momento para todos e todas entenderem seu papel na sociedade, e o trabalho em conjunto fortalece essa consciência cidadã. 

“Um impacto direto é o da fotografia ocupar seu lugar social. O propósito primeiro é ajudar outra pessoa. Muitos vão olhar porque gostam da obra, outras porque querem ajudar”, analisa.

Sabrina Moura, outra integrante do coletivo, reforça a importância de “amenizar os diversos ‘vazios’ dessas 60 famílias em vulnerabilidade social”. “São famílias chefiadas por mulheres, que normalmente já encenam uma batalha de sobrevivência, com direitos marginalizados. Desejo também que elas se sintam acolhidas, acarinhadas e que essa corrente se multiplique”, finaliza.

Serviço
Projeto Mulheres Cuidando de Mulheres
Até 30 de junho, fotografias vendidas a R$140 para auxiliar famílias da periferia.
Valor inclui entrega em Fortaleza. No caso de outras cidades, preço a combinar. Mais informações: www.mulherescuidandodemulheres.com.br


CATEGORIAS RELACIONADAS

Artes Cultura e EntretenimentoSociedade e SaúdefotografiasolidariedadecoronavírusPandemia


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.