Roberto Cláudio pede isolamento aos fortalezenses a poucas horas do novo decreto: “É um apelo” Por Redação, 20:13 / 07 de Maio de 2020 Fortaleza vai enfrentar regras mais duras para o combate à propagação da Covid-19

O prefeito Roberto Cláudio (PDT), em transmissão nas redes sociais, na noite desta quinta-feira (7), fez um alerta aos fortalezenses sobre o novo decreto que vai passar a vigorar na Capital a partir desta sexta-feira (8).

“Presenciamos, ao longo dos últimos dias, uma ascensão diária de número de óbitos”, disse o prefeito, ao argumentar da necessidade de prevenção por parte da população.

Como já anunciado, a partir desta sexta (8) a cidade de Fortaleza vai enfrentar regras mais duras para o combate à propagação da Covid-19. São medidas para evitar a aglomeração de pessoas nas ruas, e restingir o deslocamento.

METRO

Hospitais particulares do Ceará atuam com capacidade de UTI entre 98% e 100%

METRO

Veja quais documentos obrigatórios para sair de casa durante lockdown em Fortaleza

Segundo Roberto Cláudio, tanto Governo do Estado quanto Prefeitura estão realizando “investimentos na atenção primária, na emergência, na compra de insumos, contratação de profissionais, entre outros, desde que a pandemia começou na cidade de Fortaleza”.

O pedetista ressalta que, apesar dos investimentos, as gestões passaram “a presenciar a saturação do sistema de saúde, público e privado”.

De acordo com o prefeito, o sistema “está chegando no limite da sua exaustão” mesmo com a criação de uma rede paralela de atendimento à população contaminada com o novo vírus. “O tempo da doença é muito mais rápido do que o tempo de abertura de novos serviços, de novos leitos”, alertou.

A poucas horas para o início de regras mais duras para o combate à doença na Capital cearense, o chefe do Executivo municipal disse que “não há saída mais simples, mais barata, de melho custo benefício e mais transformadora” do que o isolamento, e pediu conscientização.”Mais do que essa grande operação, a maior importância é a consciência de cada um de nós”.

“Temos que cuidar um do outro. Essa doença não tem vacina, não tem remédio. Chega uma hora que é tanto doente ao mesmo tempo que vai faltar leito, atendimento para pessoas”, disse o prefeito. 

“É um pedido, é um apelo”, concluiu. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.